A história se repete: relembre os piores deslizamentos em Salvador

Por brasil

POR JOÃO PEDRO PITOMBO, DE SALVADOR

“Essa foi a pior chuva dos últimos 21 anos”, disse o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), ao justificar os deslizamentos que resultaram na morte de 15 pessoas na semana passada.

O que parece ser uma situação de exceção, no entanto, é rotina na capital baiana. Com pico de chuvas entre março e maio, a capital baiana tem um amplo histórico de deslizamentos de terra com vítimas fatais em decorrência de temporais.

A topografia irregular da cidade, aliada à ocupação desordenada da malha urbana, forma o cenário ideal para tragédias anunciadas. Segundo a prefeitura, a cidade tem cerca de 600 áreas consideradas de risco.

As vítimas, quase sempre, são famílias que vivem na periferia. Comunidades que veem a história se repetir.

Em Bom Juá, onde morreram quatro pessoas no início da semana passada, deslizamentos mataram 16 pessoas em 1971. No Barro Branco, que contabilizou 11 vítimas, 13 moradores foram soterrados em 1996.

Conheça os dez piores casos de deslizamentos de terra em Salvador nos últimos 50 anos:

Abril de 1971 – Tragédia deixou mais de cem mortos e 500 feridos após deslizamentos de terra em vários bairros. Dezesseis pessoas morreram no Bom Juá –mesmo local onde quatro pessoas foram vitimadas esta semana.

Abril de 1984 – Deslizamentos de terra deixam dez mortos. Bairros da Cidade Nova e São Caetano foram os mais afetados.

Maio de 1989 – Chuvas provocam um saldo de mais de 60 mortos e 3.000 desabrigados. Bairros do Alto do Cabrito e Canabrava são os mais atingidos. Na avenida Suburbana, um motel é soterrado, deixando nove vítimas fatais.

Março de 1992 – Após forte temporal, deslizamento de terra deixou 30 mortos em deslizamento no Lobato.

 

Soterramento de vila de casas no Lobato - Edson Ruiz/Folhapress,  26.mar.1992
Soterramento de vila de casas no Lobato – Edson Ruiz/Folhapress, 26.mar.1992

 

Maio de 1995 – Deslizamentos deixam 47 mortos em Vila Canária, Bom Juá e São Gonçalo do Retiro, onde 40 casas foram soterradas.

Deslizamento de terra em São Gonçalo soterrou 40 casas - Ormuzd Alves/Folhapress, 4.jun.1995
Deslizamento de terra em São Gonçalo soterrou 40 casas – Ormuzd Alves/Folhapress, 4.jun.1995

Abril de 1996 – Chuvas terminam com um saldo de 28 mortos e 400 desabrigados na capital baiana. Na época, 13 pessoas morreram na localidade do Barro Branco –mesma região de 11 vítimas da semana passada.

Março de 1997 – Deslizamentos de terra deixam nove vítimas em quatro bairros: Sete de Abril, Pirajá, São Marcos e Sussuarana Velha.

Maio de 1999 – Após um temporal, 14 pessoas morreram no subúrbio ferroviário. Imóveis desabaram e a terra deslizou, soterrando 30 carros na avenida Suburbana.

Maio de 2009 – Após fortes chuvas, um imóvel no bairro de Pirajá desaba e mata três pessoas. Um mês antes, um bebê morreu soterrado no bairro da Gamboa.

Abril de 2015 – Deslizamentos de terra deixam quatro vítimas fatais no bairro de Bom Juá e 11 mortos na localidade do barro Branco, na avenida San Martin.