Prefeitura do interior faz parceria com mórmons contra dengue

Por brasil

MARCELO TOLEDO, DE RIBEIRÃO PRETO

Para cuidar da alta demanda em razão da epidemia de dengue, a Prefeitura de Sorocaba fez uma parceria com mórmons para atender os pacientes em uma igreja.

A medida se deve à propagação da doença na cidade, que atingiu, de janeiro até o último dia 20, 46.093 pessoas —99,8% dos casos são autóctones, ou seja, foram contraídos no próprio município. No total, 19 pessoas morreram e outras 14 mortes estão sendo investigadas.

O CMD (Centro de Monitoramento da Dengue) é o segundo implantado na cidade para atender exclusivamente pacientes que precisam de hidratação e acompanhamento e começou a funcionar no último dia 15. Nos dez primeiros dias, fez 1.264 atendimentos.

“O centro só atende caso já notificado, que tenha tido um primeiro atendimento em outra unidade. O objetivo é acompanhar, monitorar, hidratar e fazer exame de sorologia nos pacientes”, disse Francisco Fernandes, secretário da Saúde de Sorocaba.

Do total de casos, 10.248 foram confirmados por critério laboratorial, e os outros 35.845, classificados por critério clínico-epidemiológico.

Segundo a prefeitura, a implantação do CMD foi possível devido à parceria com a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

O centro tem duas salas de acolhimento, um laboratório, dois consultórios médicos e uma sala de hidratação. São 15 cadeiras reclináveis e um leito de emergência. Oito profissionais atuam no local, entre eles ­dois médicos.