Seis curiosidades na pesquisa Datafolha em Pernambuco

Por brasil

Pesquisa Datafolha desta semana sobre a disputa pelo governo de Pernambuco confirmou a tendência de alta de Paulo Câmara (PSB), que continua empatado com Armando Monteiro (PTB), mas agora no limite máximo da margem de erro do levantamento (39% x 33%).

Representante da situação no Estado, o candidato do ex-governador Eduardo Campos (1965-2014) avançou em praticamente todos os segmentos do eleitorado pernambucano, mudando o cenário de uma eleição que se desenhava fácil para o opositor Monteiro, nome apoiado pelo PT no Estado.

armandocampos2
Os candidatos Armando Monteiro (PTB), à esquerda, de boné, e Paulo Câmara (PSB), em atividades de campanha em Pernambuco. // Fotos: Divulgação

A morte de Campos virou a campanha de cabeça para baixo e deu maior fôlego ao candidato do PSB. Monteiro aboliu a estratégia “paz e amor” do começo da disputa e partiu ao ataque.

Quer entender melhor os meandros dessa disputa? Confira recortes específicos sobre o comportamento do eleitor de Pernambuco.

*

1) Monteiro lidera entre idosos

A faixa de 60 anos ou mais é o único segmento etário em que o candidato do PTB lidera: 39% x 30%.

Câmara tem a dianteira nas outras faixas, com vantagem maior entre eleitores de 25 a 34 anos (44% x 24%).

2) Câmara cresce no voto mais escolarizado

O candidato do PSB aumentou a frente entre eleitores com curso superior (53% x 22%, ante 53% x 32% na semana passada).

O petebista perdeu votos de eleitores com apenas ensino fundamental, segmento em que liderava na semana passada.

Hoje tem 37% contra 34% de Câmara, um empate técnico –na semana passada o quadro era 36% x 26% pró-Monteiro.

3) Quase um quinto dos petistas vota no PSB

A maioria dos eleitores que declaram preferência pelo PT declara voto em Monteiro (56%), mas Câmara abocanha quase um quinto desses votos (21%), embora o PT integre a coligação do PTB.

Já o voto do simpatizante do PSB é mais “fiel”: 76% Câmara e 13% Monteiro.

4) O papel de Dilma no pleito

Há uma correlação positiva entre a avaliação favorável ao governo Dilma e o voto em Monteiro.

Entre os que consideram a gestão federal boa ou ótima, 45% votam no PTB; o índice que cai para 30% entre quem avalia o governo Dilma como regular e para 19% entre eleitores que reprovam a gestão. Câmara cresce na outra direção: 26% (entre eleitores que dão ótimo ou bom para Dilma), 41% (regular) e 57% (ruim ou péssimo).

5) Voto católico dividido

O voto do eleitor católico em PE está dividido: 38% Câmara e 36% Monteiro.

O candidato do PSB tem melhor desempenho entre evangélicos –45% x 23% entre pentecostais. E 43% a 37% entre evangélicos não-pentecostais. Também está na frente entre os sem religião (40% x 21%)

6) Aumenta rejeição a Monteiro

O petebista, que tinha 9% de rejeição de agosto, agora tem 20%. No mesmo período, o percentual de eleitores que diz não votar em Câmara de jeito nenhum oscilou de 17% para 14%.

* O Datafolha ouviu 1.211 pessoas em 43 cidades. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com os protocolos PE 00023/2014 e BR 00584/2014.

Siga o blog Brasil no Twitter: @Folha_Brasil