Copa sem festa no buraco de Natal: ‘Somos os brasileiros esquecidos’

Por brasil
Cratera no bairro Mãe Luiza, em Natal; à esquerda, edifícios que também foram desocupados devido ao deslizamento na orla da praia - Foto de Marcel Merguizo/Folhapress
Cratera no bairro Mãe Luiza, em Natal; à esquerda, edifícios que também foram desocupados devido ao deslizamento na orla da praia – Foto de Marcel Merguizo/Folhapress

MARCEL MERGUIZO, EM NATAL

A festa estava preparada para o segundo jogo do Brasil na Copa. Bastaria repetir nesta terça (17) o churrasco com cerveja e familiares e amigos reunidos na casa em torno da piscina de plástico.

Um dia depois da vitória do Brasil sobre a Croácia, na quinta passada, porém, uma chuva de 48 horas deixaria Natal em estado de calamidade.

Uma cratera se abriu dividindo o bairro Mãe Luiza onde Anderson Batista, 36, mora na cidade-sede da Copa.

Cerca de 20 casas desabaram, e ao menos 80 famílias ficaram desabrigadas.

Nesta terça, não houve festa. Não pelo empate da seleção brasileira com o México, mas porque a angústia tomou conta da Rua Guanabara.

“Somos os brasileiros esquecidos”, desabafa o comerciário pais de três filhos.

Anderson se preparou para ver a seleção, nesta terça, ao lado de: um funcionário público que foi obrigado a abandonar a quitinete onde vivia; e de um ascensorista que abrigou moradores do bairro no dia do desabamento, mas agora é a sua casa que está sob risco.

“No outro jogo estava todo mundo aqui, mas desde sábado estamos tirando gente, carregando coisas. Vi terra comendo casa. Por Deus que não teve vítima. Quero ver o jogo para tentar esquecer um pouco”, disse Anderson.

Centroavante nas peladas, Anderson é irmão de André, da seleção brasileira de futebol de areia, que também mora no bairro natalense.

Desde o deslizamento do morro, porém, ele foi dispensado do trabalho e está ajudando as famílias que ficaram na rua a sobreviver.

Sem energia elétrica nem água encanada, a casa que foi sede da festa na quinta, agora pareceria abandonada com dezenas de garrafas de água mineral, colchões e alimentos que estão ali estocados e serão doados ao que chamam de remanescentes.

Anderson Batista com a filha Ana, 1, no colo, durante execução do hino brasileiro - Foto de Marcel Merguizo/Folhapress
Anderson Batista com a filha Ana, 1, no colo, durante execução do hino brasileiro – Foto de Marcel Merguizo/Folhapress

Do outro lado da rua, a 100 metros da cratera, os moradores juntaram algumas geladeiras, “puxaram” a energia da vizinha da rua de cima e estão conservando comida.

Foi com essa eletricidade que uma TV foi ligada para os poucos que ainda continuam ali na rua assistirem a Copa.

“Não estamos comemorando a seleção, mas as vidas que salvamos”, explicou Adson Pessoa, funcionário público que ajudou a retirar as pessoas das casas após o deslizamento. “99% só com roupa do corpo e documentos”.

Ele, agora, está na casa da ex-mulher. Os moradores que não foram para a residência de familiares estão em igrejas, escolas e abrigos da prefeitura. E quem ficou está com medo, pois aconteceram saques no dia do acidente.

“Se pegasse toda foto que já fizeram aqui, tampava esse buraco. A nossa situação é muito crítica”, critica Anderson. Os moradores teriam avisado a Companhia de Águas e Esgoto do Rio Grande do Norte (Caern) há 15 dias sobre o início de um vazamento em tubulação na rua. Nada foi feito.

A Defesa Civil de Natal disse que o deslizamento está estabilizado porque choveu pouco nas últimas horas.

Vista da avenida da praia, que ficou interditada, a cratera que se formou após o deslizamento do morro Foto de Marcel Merguizo/Folhapress
Vista da avenida da praia, que ficou interditada, a cratera que se formou após o deslizamento do morro
Foto de Marcel Merguizo/Folhapress

Procurada pela reportagem, a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) soltou a seguinte nota:

“A Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) esclarece que não é responsável pelo deslizamento no bairro de Mãe Luiza. Por diversas vezes, a população tem atribuído à Companhia a responsabilidade pelo desmoronamento de terra, por não compreender as quatro vertentes do Saneamento Básico: abastecimento, esgotamento, drenagem e coleta de resíduos sólidos. A Caern é responsável por apenas dois destes serviços, o abastecimento e esgotamento sanitário. Apesar de terem equipamentos que para a população são similares, as diferenças são grandes. Vale ressaltar que a água de chuva deve ser coletada pela drenagem.

No caso vivido no bairro de Mãe Luiza, a rede de esgoto foi atingida pelo acidente. A Caern realizou um reparo no sistema de esgoto na quarta-feira (11), que foi danificada pela rede de drenagem. Durante a semana passada a empresa, a pedido da Secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura (Semopi), disponibilizou equipamentos para que fossem realizados trabalhos na rede de drenagem, rede que não é de responsabilidade da Companhia de Águas e Esgotos, além de colaborar com apoio técnico. Assim no sábado (07), a empresa enviou um caminhão para ajudar em um trabalho na rede de drenagem. E por estar presente, durante esses dias, atribui-se à Caern esta responsabilidade. A Companhia prestou apoio até onde o equipamento pode ajudar, contudo, reafirma que não é a gestora da rede de drenagem.

A Caern continua envidando esforços e prestando apoio aos órgãos competentes, contribuindo com sua expertise no assunto. Assim como em momentos anteriores, a Companhia coloca seus equipamentos e técnicos à disposição, em uma união de esforços para o bem estar da população. A Caern lamenta o ocorrido e se solidariza com os natalenses.”