Comemoração silenciosa marcará Copa em cidade do interior do Paraná

Por brasil

WILHAN SANTIN, DE LONDRINA (PR)

Se a seleção brasileira fizer bonito na Copa, os 48 mil habitantes de Cornélio Procópio (PR) terão de se contentar com uma comemoração silenciosa.

É que a Polícia Militar promete pegar pesado com quem perturbar o sossego alheio, com base no código local de posturas e na lei de contravenções penais.

O som alto em veículos e residências é o principal alvo da operação que está em curso há mais de um mês e será intensificada nos dias de jogos do Brasil. O efetivo de policiais vai aumentar para dar conta do recado.

“Começamos o trabalho após uma reunião do Conselho Comunitário de Segurança, que pediu rigor de nossa parte contra o barulho. Após o aval do Judiciário, passamos a apreender os aparelhos de som de automóveis e de imóveis que exageram no volume”, explica o tenente Marcos Daner, comandante da 1ª Companhia de Polícia Militar de Cornélio Procópio.

Não há, no entanto, um limite estabelecido de decibéis permitidos. “Vai do entendimento do policial”, completa Daner.

DENÚNCIAS

Durante as comemorações das eventuais vitórias do Brasil, os policiais agirão se houver denúncias de perturbação de sossego.

O autor do ruído incômodo terá de assinar um termo circunstanciado, entregar o aparelho barulhento e comparecer a uma audiência judicial.

Segundo Daner, só será possível recuperar o aparelho de som apreendido mediante apresentação da nota fiscal.

“No mesmo momento, o juiz aplica uma multa no valor do aparelho. Caso o infrator não apresente a nota, destruímos o equipamento”, afirma o tenente.

Não é exagero. Nos últimos dias, dois aparelhos de som automotivo tiveram esse destino no município.

A medida é polêmica.

Para a estudante Érica Fonseca, 25, é nada menos que “um absurdo”. Ela afirma que teme se exaltar nas comemorações e acabar repreendida pela polícia. Pensa até em desistir de ir com os amigos para a avenida 15 de Novembro –a principal da cidade, já toda enfeitada de verde e amarelo pelos comerciantes.

“Estamos no país da Copa e não vamos poder comemorar. Os mais jovens estão revoltados. Já se comenta, por enquanto em tom de brincadeira, de se fazer a festa da vitória na frente da casa do prefeito”, diz.

“INSUPORTÁVEL”

Já o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Cornélio Procópio, Marcos Pedroso de Oliveira, 48, diz que a situação estava “insuportável” antes da repressão ao barulho.

Durante a Copa, entretanto, ele diz esperar uma tolerância maior por parte da PM. “Esperamos que permitam a confraternização.” Nos dias em que o time de Felipão entrar em campo, o comércio da cidade fechará às 16h.

Questionado se não teme uma explosão de ligações para o 190 relatando excesso de barulho após os jogos do Brasil, o tenente Daner diz que prevalecerá o bom senso.

“Atenderemos a todos os chamados, mas não vamos impedir que haja festas. Apenas coibiremos os exageros. Eu também estarei torcendo”, conclui.

Entardecer na zona rural do município de Cornélio Procópio, no interior do PR Foto de Jonas Oliveira/Folhapress
Entardecer na zona rural do município de Cornélio Procópio, no interior do PR, onde os moradores terão de se contentar com uma comemoração silenciosa durante a Copa
Foto de Jonas Oliveira/Folhapress